Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

riscos_e_rabiscos

.

.

Penas...Têm as Galinhas!

Prometi a mim mesma que, este ano, ia tentar deixar de ser parva. Que ia cortar com as coisas que não me deixam sentir bem, que me fazem mal e que me enervam.

 

É, quanto mais não seja, uma intenção.

 

E foi com isto em mente que acabei de cortar um mal pela raiz. Acabei de mandar o galinheiro às urtigas (o título do post foi escolhido sem ter sido associado aqui à coisa).

Não me estava a sentir bem lá por vários motivos. O desgaste era muito e nada compensador.

 

Detestei:

 

- as instalações da escola;

- a falta de honestidade da directora que pintou cor-de-rosa por cima de um cenário mais negro que as trevas (fomos enganadas à fartazana!);

- ter trabalho extra não remunerado (como se não tivesse já pouco!);

- o frio, a escuridão e o cheiro a mofo da escola;

- a má-criação de alguns alunos (por desleixo, falta de presença e pulso firme da directora);

- a ausência permanente da directora que não lhe apetecia levantar a peida (oops!) cedo da cama;

- ter estado 2 meses sem receber um tusto, portanto a viver do ar. 

 

Quer dizer, estou a fazer um favor a uma desconhecida, a trabalhar numa escola que não tem sequer gabarito para o meu currículo (e isto não é para me gabar, porque não tenho esse feitio), sem o mínimo de condições de trabalho e ainda por cima sem ser paga...

 

Mas porquê? Por pena? Pena, a pena ficou em 2009. Agora penas... só nas galinhas!

Com o Dedo No Trapilho.

 

Amanhã é o meu último dia de "voluntariado" no colégio. E é o último dia a levantar-me com as galinhas, que é como quem diz às 6.30h, para ir abrir o colégio (Iupiiii!). Acho que vou ter saudades. Isto é, vou ter saudades dos momentos de calmaria e de correria, da coordenação do trabalho entre o trio odemira (entenda-se eu, a P. e a C.). para que tudo corresse bem.

 

Depois entro em férias. Tenho direito nove dias de férias. Acho eu. Férias... eh! Trabalho em casa, para ser mais correcta. Tenho de ultimar as coisas para iniciar o ano lectivo. E espero que o director não tenha alguma ideia brilhante para eu ter de andar a saltitar entre o colégio e casa.

 

Ando cansada e cheia de sono. Não me consigo deitar muito cedo e depois dá nisto. Hoje, então, foi o cúmulo: às 4.30h da manhã acordei a espirrar e já não consegui dormir mais. Humpf! Entretive-me a gastar um pacote de lenços de papel.

 

Só vim aqui ver como páram as modas e dizer que ainda mexo, com dificuldade mas mexo!

Ultimamente mexo com desembaraço os dedos. Desde que ataquei o trapilho, não quero outra coisa. E logo eu que sou uma moçoila toda prendada em muitas vertentes dos lazeres femininos...! Prometo mostrar depois o produto final que sair destas mãos de fada.

 

Ah, é verdade, sabem do que estou a falar? (Menina K. não vale revelar!)

 

 

And Now?

 

Hoje foi a festa de encerramento do ano lectivo no meu colégio. Apesar da caloraça que se fez sentir, os miúdos estavam o máximo e as coisas correram muito bem.

 

Comigo levei o N. e a minha priminha B., só faltou mesmo o Pimentinha e o bóbi para alegrar a festa.

 

Esta altura pra mim é terrível, costuma provocar-me uma angústia atroz. É o terminar de uma fase, o encerramento de mais um ciclo. e com isto volta a instabilidade, o não saber com o que posso contar, o que me espera no dia de amanhã.

 

O mais angustiante ainda foi ontem, na despedida, as crianças perguntarem-me se eu ficava lá para o ano e eu não saber responder.

Hoje foi a vez dos pais. Muitos a pedirem-me para ficar. Mas a decisão não é minha, é do director.

Sei que fiz um bom trabalho, que os miúdos ficaram bem preparados, que gostam de mim e agora vamos ver o que vai acontecer.

 

Não tinha mais nada para me partir a cabeça, por isso vou ficar a roer as unhas de ansiedade até à próxima semana que é quando o director tem disponibilidade para falarmos sobre o "próximo ano lectivo". 

 

É curioso que, ao contrário dos outros anos, e apesar de eu adorar estes putos, não fiquei com a sensação do "deus" de nunca mais os ver. Não chorei na despedida como me acontece sempre. Foi uma espécie de até logo. será o prenúncio de algo? Quererá o meu sexto sentido dizer-me alguma coisa?